Crónica ao livro « Eu Sou uma Acompanhante de Luxo»

Hoje foi colocado a venda o livro «Eu sou uma Acompanhante de luxo» escrito por Andreia Montenegro ou Ana Loureiro como quiserem chamar que ficou conhecida por ter dado a cara pela petição da legalização da prostituição.

Como eu já referi aqui em textos anteriores, não é uma causa que seja minha ou com a qual eu me identifique, assinei a petição por solidariedade, acompanho o processo como acompanho qualquer noticia do mundo do sexo e na maioria das vezes não me identificou com a causa ou da forma como é exposta.

Comprei o livro na pré-venda e quando comentei perguntaram me se eu achava que valia a pena, ler ou comprar sequer.

A resposta que eu dei foi simples, eu tenho todos os livros que foram escritos por acompanhantes, actrizes porn etc todos os livros que eu encontrei  venda comprei e já o fazia antes de trabalhar no mundo do sexo, tenho uma colecção extensa por isso nunca pus sequer a hipótese de não ser das primeiras a ler porque faria por qualquer profissional que lançasse um livro, ou seja não tinha qualquer expectativa.

O livro foi colocado a venda hoje, foi me entregue perto da uma da tarde é meia noite e eu já o li todo! E eu estive a trabalhar até ás dezoito mas todos os bocados de pausa que eu tive fiquei agarrada ao livro nem jantei porque não conseguia parar de ler.

Se até a data de hoje a Ana Loureiro era apenas uma dona de casa a lutar pelos seus interesse e com o qual eu não me identificava, mudei completamente de ideias, se me mostrasse partes do livro separadamente eu ficaria na duvida se seriam textos meus porque poderiam muito bem ser palavras minhas são muitos próximas  daquilo que habitualmente escrevo e digo.

Os primeiros capítulos do livro contam a sua historia de vida de criança, meio familiar até a idade adulta e aquilo que a levou a torna se uma Acompanhante. Está escrita de uma forma muito crua, dura, tive de parar algumas vezes para respirar fundo e fumar alguns cigarros, custam a ler.

E aqui identifiquei me logo com o livro, porque temos sem duvida uma historia muito parecida vamos a comparações:

Ana Loureiro: Cresceu num ambiente familiar complicado com uma pai alcoólico, marcado pela violência domestica, família classe média, uma burguesia de fachada

Eu: Cresci com um pai ligado a trafico e consumo de drogas, com violência e historias manhosa a mistura, família classe media vivi em condomínios com piscina e campo de ténis mas desestruturada.

Ana Loureiro: Engravida  aos 18 anos após muitas complicações torna se mãe solteira, trabalha 8 anos no Infarmed, estudou Direito na Lusófona, ve se numa situação de desemprego, enrola se nas dividas, não tinha suporte familiar para ajudar e acaba por nao encontrar outra alternativa que não fosse o mundo do sexo. Nunca voltou a casar ou juntar se nunca quis por outro homem em casa dos filhos.

Eu: Engravidei aos 18 sempre fui mãe solteira separei me do pai do meu filho gravida de 8 semanas, trabalhei 15 anos na banca, estudei Direito na Lusófona o banco que eu trabalhava fechou, enrolei me em dividas se calhar nao tanto como ela porque me desfiz logo da minha casa, carro e tudo o resto e ela manteve até ao extremo e eu abdiquei de tudo para nao me endividar mais  ainda assim chegou ao ponto de eu nao ter outra alternativa que não fosse o mundo do sexo. Nunca casei ou me juntei nunca irei por um homem na casa com o meu filho.

Só nestes 7/8 capítulos em que ela conta tudo isto era impossível não me rever até porque somos aproximadamente da mesma idade e as coisas aconteceram ás duas quase em simultâneo.

Depois começa o desenrolar da acção da sua entrada no mundo do sexo, como foi, onde foi, com quem foi, o que aconteceu. Aqui já não me identifico tanto porque eu tornei me CamGirl e não Acompanhante por isso os percursos foram diferentes mas consigo entender o que escreve e não me surpreende, já conhecia de ouvir falar da casa, e o mundo do sexo é mesmo como ela relata.

Gabo lhe é a coragem de o dizer/ escrever publicamente! eu já falei com centenas de acompanhantes e parecem todas uns discos riscados, todas dizem «Gosto muito do que faço». «Eu tenho prazer e ganho dinheiro é bom», «eu tenho muitas amigas neste meio», «Eu dou me bem com toda a gente», «Somos unidas», «o cliente não me repugnam», estas são as merdas digo mesmo MERDAS, que eu ouço as profissionais do sexo dizerem a anos e finalmente aparece uma com os colhoes no sitio que escreve para quem quiser ler, que não gosta de ser acompanhante, que tem nojo dos clientes, que o cheiro da lhe nojo e é difícil de sair, que se sente suja e que so o faz por dinheiro porque tem de dar de comer aos filhos senão não faria, que diz que as gajas são umas cabras umas para as outras que so se fazem de tuas amigas para te foderem, que tens de contar pouco de ti e inventar para te defenderes de clientes e colega porque tudo o que possas dizer a teu respeito pode e vai ser usado contra ti, e quando as pessoas se aproximam de ti e porque querem algo de ti!

PARABÉNS E ISSO MESMO! FINALMENTE ALGUÉM QUE DIZ A VERDADE!

Eu penso da mesma forma e assino em baixo e sei bem o que é isso até aqui no meu mundo da bolha webcam eu vivi isso eu passei por isso eu sinto o mesmo!

Eu poderia estar aqui a contar o livro todo mas isto já está muito extenso, o livro fala sobre tudo, todo o percurso vale muito a pena, já perceberam que eu gostei muito, de portuguesas é o mais genuíno que eu li, porque não é um livro escrito para vender a imagem dela de acompanhante ou de dona de casa e a casa dela ou as meninas dela e sim que conta a realidade do que é o mundo onde viveu, que apesar de não representar a realidade de todas as profissionais do sexo, porque o mundo do sexo tem muitas vertentes, mostra a dela da forma mais descarada possivel.

Eu mudei completamente a opinião que tinha dela, consigo entender melhor a sua luta, não concordo com tudo claro, a muita coisa no livro com a qual não me identifico tem a ver mais especificamente com o trabalho de acompanhante e dona de casa e ai já sai muito fora do meu registo é normal eu não entender.

No fim a algo que eu sinto muita pena, é que a Ana goste tanto de ser dona de casa e que seja esse o caminho que quer seguir, porque se ela fosse favorável a um programa alternativo para mulheres não enveredarem pela prostituição, a programas de saída da prostituição, o desfecho seria outro e acredito que daqui a uns anos conseguiria uma cadeira no parlamento, poderia ser alguém muito importante neste meio.

Está do lado errado da luta! Se é tão doloroso ser profissional do sexo porque dar melhores condições para manter em vez de ter programas de saída?

Na minha óptica porque gosta de ser dona de casa e quer legalizar o seu negocio e entendo isso, respeito! Mas será que o seu lugar não seria a lutar por uma causa ou causas que poderiam realmente ajudar, e evitar que mais mulheres como ela como eu como tantas de nos, tivessem de passar aquilo que ela passou, que eu passei que tantas passam?

Sou suspeita para falar, afinal eu estou do lado da saída, e luto todos os dias da minha vida, para que um dia a ‘ TugaEris» seja apenas o meu passado e acredito que um dia vou conseguir!

Voltando ao livro. Comprem! Leia! Porque é sem duvida muito bom!

E fiquei com pena que não tivesse autografado, não conheço a Ana mas acho que ainda vou ter a lata de lhe mandar o livro para ela assinar, até os da Bruna Surfistinha e Afonso Noite de Luar tenho autografados e este não!

Não me parece justo.

Chega de testamento e leiam o livro mandem um email com a vossa opinião quem quiser.